Ronaldo Marinho

Literatura Contemporânea!

Textos

Brisado
Acalorado: é o adjetivo que qualifica melhor, o meu embate com o Xerepa, irmão caçula do Capeta.

Ergui meu indicador entre seu bigode e narinas avermelhadas. Joguei pó de kriptonita em sua direção. A espécie de capiroto espumou os cantos dos olhos. Desenvolveu golpes de capoeira em meu rumo, a toda sorte. Exalava sulfeto de hidrogênio. Eu ouvia tambores batucando. Entoei, desafinado, uma cantiga pentecostal. Aquele hino me vinha à lembrança fragmentado. As sandálias escorregavam nos pés. A urina foi o que verti primeiro! O irmão do Belzebu contorcia, como se estivesse eletrizado.

Madrugada de intensa claridade do luar, no vilarejo. Xerepa, magricelo rodopiando nos calcanhares, da direita para a esquerda. O tacanho tinha os pés redondos, mas seu rastro era comprido. Após eu ter clamado pelo nome de Jah (o que eu deveria ter feito desde o princípio da peleja) Xerepa se rendeu. Debandou-se, em ciclomotor de cor rosa. Não havia sequer um único cidadão transitando pela rua, alguém para testemunhar minha luta. Apesar do inconveniente das excreções, venci o duelo!

Corri para minha casa, adentrando pelo portão dos fundos. Visto apenas por minha cadela. Tomei um banho gelado. Desnudo, bebi um anti-hipertensivo, um excitante e um bocado de gim.

Dizia-me meu parceiro, finado Zalão: “Béque, tem que ter procedência, mano Marinho...”.
Ronaldo Marinho
Enviado por Ronaldo Marinho em 09/05/2014
Alterado em 19/10/2019
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras